Planos para uma escapadinha perfeita até Cabezabellosa, a varanda do norte da Estremadura

Cabezabellosa é a varanda do norte da Estremadura e a mais florida quando milhares de giestas resplandecem no Pico Pitolero.

É um espetáculo visual que geralmente acontece de meados de junho até ao início de julho. Os habitantes locais dizem que entre São João e São Pedro é quando as giestas estão mais amarelas, por isso aproveitar a oportunidade para subir o Pico Pitolero torna ainda mais perfeita a escapadinha à aldeia do já famoso miradouro de Cabezabellosa.

Pico Pitolero, a varanda mais florida com as giestas em todo o seu esplendor

O Pico Pitolero, a uma altitude de 1.345 metros, é mais fácil de subir desde que a Deputação de Cáceres melhorou a pista no ano passado para que as encostas íngremes possam ser percorridas de carro na primeira velocidade. O desvio fica à esquerda da estrada que conduz a Torno, está sinalizada e uma vez na parte superior pode ver em 360 graus o Vale do Jerte, Plasencia, as Terras de Granadilla e o Vale do Ambroz. Em dias claros pode até ver a Penha de Francia, Portugal e outras partes da província de Cáceres.


Com condições de voo inigualáveis e a melhoria das rotas de descolagem que o governo provincial também empreendeu, é o pico mais apreciado para o parapente no norte da Estremadura. Parapente no Pico Pitolero como neste vídeo de Maxi Mahillo também pode tornar a escapadinha perfeita ou mesmo assistir apenas ao crescente número de entusiastas do voo livre que recebe este magnífico farol localizado nas montanhas de Traslasierra que separam as Terras de Granadilla e o Vale do Ambroz do Vale de Jerte.

As antenas de telecomunicações que servem de ponto de referência para os caminhantes e o vértice geodésico em El Pitolero são a prova de que este é um destino de alta altitude e também porque o miradouro do outro lado da aldeia está a ficar famoso nas redes sociais.

O miradouro da Cabezabellosa está a ficar famoso


O novo miradouro de Cabezabellosa, recentemente construído pela deputação, com fundos EDUSI, tornou-se rapidamente uma atração turística e os visitantes aguardam a sua vez para olhar a partir desta nova varanda que parece estar suspensa no ar a uma altura de 870 metros.

Consiste em duas passarelas, de 27 e 44 metros de comprimento respetivamente, que foram construídas em aço sobre as rochas, e devem ser percorridas com atenção a cada passo porque a sensação pode causar vertigens. Ambos os braços da passarela são encimados por um vidro transparente de onde temos uma vista imensa das Terras de Granadilla e dos vales de Jerte e Ambroz numa extremidade e na outra a aldeia com o Pico Pitolero no topo.

O miradouro Cabezabellosa, vencedor do Prémio Turismo do Norte da Estremadura, atribuído pela associação de profissionais do turismo da zona, situa-se 200 metros acima da ermida de Nuestra Señora del Castillo, na colina de El Búho. Não há outra opção a não ser percorrer a pé cerca de um quilómetro a partir do cemitério, ou diretamente na saída da autoestrada A-66 na direção de Villar de Plasencia.


Cabezabellosa, a aldeia dos pores-do-sol divinos

Na área ao redor do cemitério os estacionamentos foram ampliados para facilitar a visita dos turistas. Não é uma boa ideia conduzir pelas ruas estreitas da vila, mas é uma boa ideia estender a sua viagem para apreciar o belo pôr-do-sol no Cerro del Búho. Muitos já o fizeram e podem continuar a fazê-lo a partir dos penedos por baixo do novo miradouro. Na verdade, é uma experiência altamente recomendável que certamente já foi apreciada na Idade do Bronze, a julgar pelos restos encontrados na área circundante.

Cabezabellosa surpreende

Depois das habituais visitas aos dois picos de Cabezabellosa, o melhor a fazer é passear por esta aldeia de montanha impregnada de história e visitar as suas varandas de pedra, a sua igreja e outras duas ermidas, todas barrocas, ou os seus edifícios nobres pertencentes às famílias Carvajal e Girón de Plasencia.

Carvajal também se refere a outro ponto de interesse, o carvalhal, onde se pode encontrar pelo menos vinte pias de origem vetão onde se diz que as bolotas eram moídas.

O carvalho de Romanejo, uma visita obrigatória em Cabezabellosa

A visita ao carvalho de Romanejo, com mais de 500 anos e listado como Árvore Singular da Estremadura, com os seus impressionantes 20 metros de altura, é também uma visita obrigatória. Fica apenas a um passo da estrada para El Torno, uma das estradas panorâmicas da Deputação de Cáceres, é um monumento natural a ser venerado.

Outros lugares de interesse são os dois lavadouros da aldeia e as construções do século XVI para a condução da água das nascentes de Cabezabellosa a Plasencia, em cujo Museu Etnográfico Têxtil Pérez Enciso da Deputação de Cáceres se pode ver, a propósito, o traje típico dos bellosos, do qual os aldeões se orgulham tanto.

Uma aldeia rodeada de estrelas, incluindo as gastronómicas

Para recuperar as forças, nada melhor do que provar o hornazo belloso, feito com massa de pão e ‘chicha’ como o chouriço, costeletas ou lombo de porco temperado. Isto é feito sob encomenda na padaria da aldeia.

Também se pode encomendar as populares batatas revolconas de Pilar num dos dois bares da aldeia, que antes da popular passarela se chamava El mirador de Cabezabellosa.

O Bar Antonio é um clássico reaberto por um jovem casal de Barcelona, Esther e César, com uma ementa baseada em produtos de quilómetro zero, sem falta de morangos de Casas del Monte, mas também um surpreendente cachopo de vitela ecológica e queijos artesanais.


O novo miradouro impulsionou o turismo numa aldeia com um guia oficial do Colégio de Biólogos da Estremadura, Marco Montero, que mudou a sua vida para regressar à aldeia onde também dirige uma das três casas rurais.

Cabezabellosa é, como as vizinhas Cáparra, Granadilla e El Anillo, um destino ideal para a observação de estrelas. Inclusivamente, celebra suas festividades de São Lourenço durante a chuva de estrelas de agosto.

Mas gastronomicamente também está rodeado de estrelas. O Restaurante Versátil, uma Estrela Michelin em Zarza de Granadilla, e os Bib Gourmand da Michelin em Hervás, o Nardi e o Almirez.

Os sóis do Guia Repsol de La Parada de la Reina e Succo em Plasencia assim como os soletes do Restaurante La Isla e El Rincón de Amador. Para Solete também o de El Alguacil em Casas del Monte.

Planes para una escapada redonda a Cabezabellosa, el balcón del norte de Extremadura

Publicado em junho 2022

Fotografias Andy Solé

Tradução Ângelo Merayo

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

También te puede interesar

Alfonso XIII en Plasencia, el lunch de 1.972,75 pesetas y una bienvenida que le entusiasmó

Alfonso XIII visitó Plasencia el 18 de diciembre de 1927 y quedó…

Jose Ángel Franco, ‘KrrteAndo’, único extremeño que opta al #BlogueroGold

Jose Ángel Franco, autor del blog de viajes ‘KrrteAndo’, es el único…

Tamurejo se llena de literatura y arte con Siberiana 2022

El festival de literatura y naturaleza de Tamurejo se celebra los días…

Las Edades del Hombre del 2022 en Plasencia brillarán en Fitur

Las Edades del Hombre que se van a celebrar en Plasencia en…