O turismo cinegético está na moda na Estremadura

Caçar na Estremadura está na moda e não só entre a realeza, mas envolve também 70.000 licenças entre os adeptos de toda a condição que escolhem desfrutar do seu desporto preferido entre azinheiras, sobreiros ou estevas no meio do monte, em serras selvagens ou em planícies impressionantes. É isso que faz a diferença, a variedade de ecossistemas, onde o caçador entra em contacto com a natureza numa cerimónia que acaba por ser social, da madrugada ao almoço em grupo, após calcorrear durante horas um campo onde o tempo se detém.

Essa é a sensação única que descrevem os adeptos e que enche as terras estremenhas do final de setembro, quando começa a temporada dos coelhos, até ao início de janeiro na caça menor, e de outubro a fevereiro na caça maior. Um chamariz que quebra a sazonalidade do turismo, nomeadamente em escapadinhas de fim de semana, move cerca de 400 milhões de euros por ano, representando 2,5 por cento do PIB regional, de acordo com as estimações da Federación Extremeña de Caza.

planVE

Do adepto modesto ao capricho da realeza

Dados que dão ideia da potencialidade de um setor que atrai, cada vez mais turismo estrangeiro. O português historicamente à frente, mais interessado em caça menor, mas também cada vez mais ingleses, atraídos muito especialmente pela modalidade de caça à perdiz de salto, que não existe lá, assim como franceses e alemães, apaixonados pelas montarias, também únicas em Espanha. Mesmo a realeza, como Carolina do Mónaco ou os príncipes da Bélgica, escolhem a Estremadura, onde acontecem cerca de 1.800 montarias de todos os tipos e condições, de acordo com as estimativas da recém criada Asociación de Turismo Cinegético (Tuciex), pioneira na integração de todos os setores associados à caça, conscientes do motor de desenvolvimento económica que representa.

A diversidade de paisagens como mais-valia da caça na Estremadura

Estima-se que a caça gere mais de 90.000 jornadas na temporada, num setor muito profissionalizado e que acolhe o adepto nas batidas por um mínimo de 150 euros até mais de 3.000. Para todos os bolsos mesmo, entre adeptos que podem escolher caçar nas grandes extensões abertas da Sibéria estremenha, as planícies da serra de S. Pedro e Tejo Internacional, cenários tão emblemáticos e exuberantes, para surpreender os viajantes, como os Ibores, Villuercas e Jara, Monfragüe e mesmo a vizinha Gredos, com a sua cabra, única na sua espécie.

Niña probando uno de los productos de Cárnicas Dibe en la I Feria de la Caza de Malpartida
Cárnicas Dibe na I Feria de la Caza de Malpartida

Lugares onde setores ligados à caça, das seguradoras ao alojamento e os restaurantes, oferecem uma ampla gama e beneficiam de um setor que deixa marca no estrangeiro, como as exportações de carne de caça de empresas tão notáveis como Cárnicas Dibe, que, a partir de El Gordo, vende para toda a Europa e inclusivamente as mudas dos veados para medicinas na Ásia. Na campanha chegam a ter 130 trabalhadores e uma centena regularmente.

Gastronomia de caça “made in” Estremadura e feiras profissionais

Degustación de caldereta de venado en una feria regional de caza

A gastronomia da Estremadura faz parte do atrativo do turismo cinegético, com ementas onde não podem faltar perdizes, codornizes ou lebres, cervos ou enchidos. Pratos elaborados no estilo tradicional ou com carimbo gourmet e que também podem ser degustados em férias como as três que são celebradas em 17 dias desde meados de setembro.

A mais antiga, em Badajoz, a Feira Hispano Portuguesa da Caça, Pesca e Natureza Ibérica, já com XXVI edições; a I Feira Gastrocigenética de Malpartida de Plasência. Sem esquecermos outras como a do pequeno município de Ahigal, a Feira do Cão e a Caça, um antecipo da temporada de caça menor. Feiras que contribuem à promoção que a Direção Geral do Turismo tem previsto potencializar para um maior posicionamento do turismo cinegético da Estremadura.

Exhibición de ave rapaz en una feria regional de caza

Autor original planVE

Traduzido por Diego Bernal Rico

Publicado em setembro de 2016

El turismo cinegético está de moda en Extremadura

Hunting tourism in fashionable in Extremadura

Junta de Extremadura reportajes 2016 anuncio 3

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

También te puede interesar

De tapa em tapa pelos petiscos da Estremadura

Percorrer a Estremadura de tapa em tapa é uma experiência gastronómica para…

Planos para uma escapadinha perfeita en Las Mestas, miradouro de Las Hurdes

Las Mestas é um ótimo ponto de partida para apreciar Las Hurdes,…

Termalismo na Estremadura, o turismo mais saudável

A Estremadura dispõe de sete estâncias termais para desfrutar de um turismo…

Rotas de bicicleta pela província de Cáceres, um espetáculo sobre duas rodas

As rotas de bicicleta