Search

Uma escapadinha perfeita a Tornavacas para admirar a vista do Vale do Jerte

A vista do Vale do Jerte a partir de Tornavacas é espetacular. Os seus miradouros no passo de montanha de Tornavacas e na Cruz de Santa Bárbara são varandas privilegiadas de onde se pode ver a flor da cerejeira na primavera, a paisagem ocre no outono e, durante todo o ano, o sistema agrícola em socalcos típico desta região no norte de Cáceres. Um terceiro miradouro é o que se encontra entre Jerte e Tornavacas, próximo da garganta de Beceda.

A vila é ladeada pelas serras de Gredos e Tormantos e faz fronteira com a província de Ávila, ao pé da estrada N-110 que liga Plasencia a Sória.

No inverno pode desfrutar da neve no passo de Tornavacas e no verão da água, em recantos como a piscina natural de Pinguero, uma das zonas balneares privilegiadas do Vale do Jerte. E não apenas para nadar e refrescar-se, porque o Vale do Jerte tem algumas quedas de água maravilhosas para a práticacanyoning e outros desportos de aventura, que são organizados por empresas da região. Percursos pedestres e BTT fazem deste destino um paraíso para os amantes do turismo ativo.

O passo de Tornavacas e a rua Real

Uma visita a Tornavacas pode começar no miradouro do passo de Tornavacas. Tem um parque de estacionamento, bancos, parque de merendas e uma rampa que o torna acessível a pessoas com mobilidade reduzida.  É o ponto de partida para muitas rotas na região e tem painéis informativos sobre o Vale do Jerte, a Serra de Gredos e a Reserva Natural Garganta de los Infiernos, com os seus icónicos “Pilones.  Mesmo Plasencia pode ser vista a partir deste local.

O miradouro de Puerto de Tornavacas é acessível, tem parque de merendas, estacionamento e uma vista espetacular.

Uma vez dentro da aldeia, a melhor coisa a fazer é procurar a Calle Real, a sua rua principal, passear e descobrir os principais pontos de interesse em Tornavacas. Existem, também, becos que parecem janelas com vista para o Vale do Jerte.

A rua Real de Tornavacas é a via principal, onde se podem encontrar muitas das atrações turísticas da cidade e exemplos da arquitetura popular do Vale do Jerte.

Na rua Real encontra-se a igreja de Nossa Senhora da Assunção, que é um bem de interesse cultural, onde o Cristo do Perdão é venerado; a casa da Inquisição e a casa de Juan Méndez Ávila, onde Carlos V dormiu a caminho do seu retiro no Mosteiro de Yuste, na região de La Vera; a ponte de Cimero sobre a qual o imperador passou e a de La Puentecilla; o pelourinho conhecido como La Marirrollas e algumas das fontes que fazem parte de uma rota identificada com painéis em braille e códigos QR.

A Plaza Mayor com a os paços do concelho e o Hogar del Pensionista com o seu charmoso terraço, é uma espécie de parêntesis da rua Real. De lá para cima é a Calle Real de Arriba e para baixo, a Calle Real de Abajo.

Na Calle Real de Arriba, não perca a ponte Cimero, uma joia medieval de onde se podem ver casas com a arquitetura popular do Vale do Jerte e as suas colunas e varandas de madeira. Também vale a pena ver a igreja de Nossa Senhora da Assunção, em estilo barroco, com o seu notável retábulo e abóbada, e em frente, a fonte de Cotarro, um ponto de encontro para o povo de Tornavacas para pôr em dia a conversa.

Ponte Cimero em Tornavacas sobre a qual Carlos V passou a caminho do seu retiro no Mosteiro de Yuste
Tornavacas tem uma boa rede de painéis de informação turística em Braille e com códigos QR.
Igreja de Nossa Senhora da Assunção em Tornavacas, onde se destaca o retábulo e a abóbada.

A poucos metros, no rés-do-chão dos paços do concelho, encontra-se o Centro de Interpretação de Las Cárceles, com painéis iluminados que fornecem informações sobre Tornavacas e o Vale de Jerte. Um bom local para se ter uma ideia completa de onde estamos.

O Centro de Interpretação Las Cárceles fica no rés-do-chão da Câmara Municipal de Tornavacas.

La Puentecilla e o seu azevinho, o mais fotogénico de todos

Calle Real de Abajo é a rua onde encontrará a ponte de La Puentecilla, um dos pontos mais populares de Tornavacas e um dos mais belos para fotografar. Está sobre a garganta de El Cubo e é coroada por um santuário barroco onde outrora se encontrava Nossa Senhora da Consolação. Junto à fonte há uma bela árvore de azevinho.

Ponte de La Puentecilla com a sua fonte e o seu belo azevinho, uma das mais populares fotografias de Tornavacas.

Seguindo o percurso, no número 23 encontra-se a casa onde Carlos V dormiu de 11 a 12 de novembro de 1556. Acima da porta ainda podemos ler que era a casa de Juan Méndez de Ávila, servo de Sua Majestade, escrivão da vila e homem de confiança da família Álvarez de Toledo. Um pouco mais abaixo, a fachada da casa da Inquisição ostenta os seus distintos ramos de oliveira, cruz e espada. Há outras casas que testemunham o carácter religioso dos seus residentes ou o ano em que foram construídas.

Perto das Marirrollas, o pelourinho de Tornavacas, há bancos. É um belo miradouro para ver as cerejeiras em flor, a paisagem de outono e o sistema de cultivo em socalcos típico do Vale de Jerte.
Detalhe de uma das duas caras do pelourinho de Tornavacas, que em tempos teve quatro rostos.

A Calle Real conduz à fonte de El  Pilón e a Marirrollas, o pelourinho com duas das quatro caras que em tempos teve. Junto a ela há bancos para sentar-se e contemplar as vistas do Vale do Jerte a partir de Tornavacas, e alguns metros mais abaixo podemos completar o passeio aproximando-nos da ermida de El Humilladero, perante a qual se ajoelhavam os

peregrinos e caminhantes que entravam em Tornavacas através deste acesso.

Toque de esquila, uma tradição única

Todos os dias do ano, ao anoitecer, uma mulher de Tornavacas percorre a rua Real tocando a esquila. Não importa se chove, se neva, se está calor ou frio porque nada é capaz de parar uma tradição que se prolonga desde pelo menos o século XVIII, segundo o historiador de Tornavacas Juan Pedro Recio Cuesta, que acredita que o toque da esquila poderá ser ainda mais antigo.

“É tocada em memória dos defuntos e é tocada exclusivamente por mulheres que fizeram uma espécie de promessa por terem vivido certas situações ou que têm uma devoção às almas” afirma.

Todos os dias do ano uma mulher sai através de Tornavacas tocando a esquila em memória dos defuntos.

O toque do sino tem uma duração de entre 15 minutos e meia hora. Quando chega a uma esquina de rua, o sino é deixado em silêncio. Na porta dos paços do concelho há painéis com informações sobre esta tradição, que é única na Estremadura e que mal é preservada noutras partes de Espanha, como La Alberca em Salamanca.

Festas de encenação histórica em Tornavacas

Tornavacas cuida desta e de outras tradições como as suas festas. A mais importante é a do Cristo do Perdão em setembro, o mês em que também se realiza a Feira de São Mateus. Antes disso, em agosto, a cidade volta a sua atenção para as festas de Nossa Senhora da Assunção.

Na noite de 1 de maio Ya  Tornan las Vacas, uma encenação histórica da lenda que dá nome a Tornavacas. Há vistosas encenações em diferentes partes da cidade, um mercado e barracas de comida e bebida. No dia seguinte, 2 de maio, é a Noite do Fogo, com fogueiras nos bairros, e a 3 de maio é o Dia da Cruz, um dia de romaria.

Em junho vem o Corpo de Deus e Tornavacas é decorada com freixos, arcos de flores e pequenos altares, enquanto pendura os melhores lençóis das suas fachadas.

A figura de Carlos V é também o foco de dois festivais de encenação: a Rota do Imperador em outubro, que percorre o caminho que o imperador tomou de Tornavacas a Jarandilla, e o Mercado Carolus Imperator em novembro.

Uma gastronomia intensa e saborosa

Uma escapadinha perfeita a Tornavacas tem de incluir provar os seus pratos típicos, que ainda são preparados nas casas e em restaurantes como La Covacha. Sopas canas e de leite; morcela de lustre; guisados e tasajos com carne de porco e cabrito; a popular truta do rio Jerte marinada ou frita; doces como huesillos ou sapillos e bebidas como a glória ou vinho arropao, fazem parte de uma intensa e saborosa gastronomia concebida em muitos casos para enfrentar o frio das montanhas no inverno.

Os produtos sazonais e de proximidade fazem parte da gastronomia de Tornavacas e do Vale do Jerte.

Estes são os sabores do Vale do Jerte, uma região onde se pode deslocar à procura dos aromas genuínos da cozinha de montanha e dos pastores, produtos sazonais e de proximidade. Existem restaurantes, estalagens e cafés no Vale do Jerte, nos 11 municípios da região, onde se pode fazer uma paragem com prazer.

Tornavacas e o Vale do Jerte valem uma escapadinha em qualquer altura do ano para apreciar as suas paisagens e miradouros, os seus outonos, as suas gargantas e piscinas naturais e festivais como os do Cerejeira em Flor, que oferece uma paisagem efémera de primavera que é única em Espanha e Jarramplas em Piornal, ambos de Interesse Turístico Nacional. A melhor coisa a fazer é dedicar mais de um dia à visita e escolher alguns dos alojamentos nesta região do norte de Cáceres, um destino para olhar à nossa volta e entregar-se ao prazer de desacelerar os dias.

Una escapada redonda a Tornavacas para disfrutar de sus vistas al Valle del Jerte

Fotografias: Andy Solé

Publicado em março de 2023

© Planveando Comunicaciones SL

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

También te puede interesar

Aula de Literatura de Plasencia con Yolanda Regidor, Rita Taborda, Pablo Montoya y Fermín Herrero

El Aula de Literatura de Plasencia 2023-2024 trae en su última edición…

Mesa de las Brujas, Muerte Pelona, matajambris, ánimas mineras… Halloween en Extremadura

Halloween en Extremadura se vive entre divertidas fiestas de disfraces o tradiciones…
descargamaria-sierra-gata-piscina-modernista

Descargamaría, el destino de Sierra de Gata con piscina modernista y una singular calle Real

La piscina natural de Descargamaría tiene un toque único. Se lo conceden…

La Feria del Espárrago y la Tagarnina de Alconchel cumple diez años y se celebra del 24 al 26 de marzo

La Feria del Espárrago y la Tagarnina de Alconchel celebra su décimo…