Caminhadas cintilantes de prata pelos olivais de Terras de Granadilla

A parte inferior prateada das folhas da oliveira oferece belos brilhos ao passarmos pelas Terras de Granadilla. Caminhar entre os milhões de árvores plantadas nas vastas colinas da região de Trasierra-Tierras de Granadilla oferece belas vistas e ainda melhores sensações. São terras secas, rústicas e escuras, cultivadas durante séculos. Só nesta área, são produzidos cerca de 40 milhões de quilos de azeitonas por ano, especialmente a famosa azeitona maçanilha de Cáceres.

Estamos a falar de Turismo Rural com letra maiúscula, porque os tratores com as suas cargas de azeitonas são frequentemente encontrados nas estradas, atrasando o trânsito. Isto permite aproveitar melhor este mar de oliveiras que se perde diante dos seus olhos. À volta de Ahigal, Guijo de Granadilla, Cerezo, Marchagaz ou Palomero, milhares de oliveiras estão alinhadas à medida que passamos. Os olivais estão unidos, independentemente da região, com as terras da Serra de Gata e as Hurdes, onde é produzido algum do melhor azeite de Espanha.

Olivares

Estradas com vista em Terras de Granadilla

A estrada de Mohedas de Granadilla a La Pesga é um exemplo claro da bela paisagem desenhada pelas oliveiras alinhadas nas diferentes parcelas, um manto interminável de manchas verde-escuras sobre a terra castanha seca. No fundo contrasta a barragem de Gabriel y Galán, azul com cintilações e mostrando no centro a torre do castelo de Granadilla. Em La Pesga, um parque com oliveiras milenares acolhe o visitante e recorda-nos a presença imutável desta cultura.

A estrada de Mohedas a Casar de Palomero, já nas Hurdes, oferece belas vistas sobre os esporões de Gredos. No fundo há uma mancha de água parada, a barragem de Las Cumbres de Ahigal, uma área recreativa, também rodeada por oliveiras.

No desfiladeiro de Puerto del Gamo, na Serra de Santa Bárbara, encontramos a ermida da Cruz Bendita, com a sua história de cristãos e sefarditas, que está perdida e adaptada ao século XV.

Ermita de la Cruz Bendita

A proximidade da antiga cidade romana de Cáparra e da vila medieval de Granadilla, conta-nos a passagem do tempo e a história do povo nestas paragens. De quase todos os lugares também se pode ver o Pico Pitolero no topo da montanha, por cima de Tornavacas, de onde os entusiastas do parapente têm uma vista ainda mais magnífica sobre estas encostas rodeadas de olivais.

Rotas, trilhos e caminhos através de olivais

Muitos caminhos atravessam estas estradas arborizadas de oliveiras. É aconselhável segui-los em épocas mais frias, o outono e a primavera são ideais. No verão, apenas no início ou no fim do dia. Devemos ter em conta que a partir de setembro começa a apanha da azeitona, pelo que há um maior fluxo de trabalhadores na zona.

Na Rede de Trilhos do Sistema Central há vários que seguem trechos com vista para as oliveiras. Um é o GR10, na etapa 10, que vai de Guijo de Granadilla a Casar de Palomero e passa também por Ahigal, Cerezo e Mohedas. No percurso de 23 km pode desfrutar de florestas de azinheiras, sobreiros, ribeiros e olivais que enfeitam o percurso, que pode demorar quase seis horas. Outro é o SL CC 221, que leva de Cerezo à Plaza Mayor de Casar de Palomero, numa rota de cerca de 10 quilómetros ao longo do percurso tradicional que costumava ligar estas duas vilas. A presença constante do cume de Santa Bárbara lembra-nos a proximidade das Hurdes, pois é a serra que separa estas duas regiões.

Todas estas rotas e outras, estão detalhadas no Guia de Itinerários Ecoturísticos publicado pelo CEDER Cáparra, que também inclui a Rota 10 ou Pico Blanco. Esta rota leva ao que muitos dizem ser o melhor miradouro sobre a barragem de Gabriel y Galán, embora a serenidade destas águas possa ser admirada a partir de vários lugares da região.

Outro percurso, o número 4 ou Pico Altamira, que demora cerca de duas horas e é de dificuldade média, começa em Marchagaz e passa pelas ruínas do antigo convento de San Marcos. Oferece vistas maravilhosas ao longo do caminho, tendo os olivais como protagonistas.

O manto de oliveiras que cobre as encostas combina com as estevas e florestas, muros de pedra e riachos. É uma área de trabalho, que tem o encanto da tradição. Um terço da produção de azeitonas em Trasierra-Tierra de Granadilla é utilizada para produzir azeite, mas a maioria das azeitonas aqui colhidas são preparadas como azeitonas de mesa e vão para lugares distantes, levando o sabor destes campos consigo para estar presente em festas, bares e reuniões distantes, porque as azeitonas têm sempre um ar de festividade. Um ar verde-escuro e prateado, como o das folhas das oliveiras, quando são movidas pelo vento do prometido outono.

Diputación de Cáceres

Paseos con brillos de plata entre olivares de las Tierras de Granadilla

Autor original: Marian Castillo

Traduzido por Ȃngelo Merayo

PlanVE la guía de ocio de Extremadura / Das maravilhas que oferece a Extremadura

Publicado em setembro de 2021

©Planveando Comunicaciones SL

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

También te puede interesar

Alargada a temporada de turismo aquático na Estremadura

Espaços naturais repletos de água e clima bondoso em boa parte do…

Mérida estreia Semana Santa de Interesse Turístico Internacional

Os monumentos romanos de Mérida foram de suma importância para conseguir a…

A ermida do Ara, a Capela Sistina da Estremadura

Muito perto dessa linha imaginária que separa a Estremadura da Andaluzia, por…

No verão deixe-se surpreender porque a Extremadura é água

A Extremadura é água, mais de 1.500 quilómetros de costa interior e…