A imagem do Geoparque de Cáceres que vale mais que mil palavras e que vai querer conhecer

O Aqueduto Herrerías no meio do geoparque de Cáceres cumpre ao pé da letra o provérbio. Uma imagem vale mais que mil palavras e esta imagem está a circular aos milhares na Internet. Tanto que uma legião de caminhantes quis ir ao encontro da obra de engenharia hidráulica mais fotografada do Geoparque Mundial da UNESCO Villuercas-Ibores-Jara e cada vez mais turistas, que não se sentem desapontados apesar das muitas fotografias que tenham visto antes.

Essa é uma grande vantagem de uma caminhada que o leva por nada menos que um velho canal de cinco quilómetros, construído no final do século XIX para produzir energia no meio da paisagem acidentada do desfiladeiro Descuernacabras. Grandioso e oculto no coração do geoparque de Cáceres, faz o visitante sentir-se como um turista que, venha de onde vier, não quer perder a sua fotografia no trecho que é a joia do percurso, o aqueduto curvado oito metros acima da água e rodeado de belas paisagens.

É a imagem mais espetacular do Aqueduto Herrerías, construído com domínio da ardósia e da pedra, e os seus vinte arcos uniformes que dão o seu nome à rota que começa em Campillo de Deleitosa, uma pequena aldeia localizada a pouco mais de uma hora de Guadalupe.

O Aqueduto Herrerías, uma joia que esconde o Geoparque Mundial da UNESCO Villuercas-Ibores-Jara

É um daqueles cantos da província de Cáceres a descobrir, onde parar e olhar para trás é um espetáculo com magníficas vistas panorâmicas do relevo apalachense do Geoparque Villuercas-Ibores-Jara, exuberante floresta mediterrânica nas encostas e abundante vegetação ribeirinha perto do leito do rio onde, na primavera, se pode distinguir perfeitamente os barbos que sobem como salmões para desovar. Nos penhascos, os abutres atraem tanta atenção como a gruta de Los Canchos do maqui Juan Caldilla.

Como chegar ao Aqueduto Herrerías no Geoparque de Cáceres

Esta caverna é precisamente o melhor sinal de que devemos iniciar a descida para o canal, se tivermos feito o percurso mais longo, que começa em Campillo de Deleitosa. É a rota de cerca de 13 quilómetros, que, tal como a rota mais curta de nove quilómetros, parte de Fuente de los Caños, que fica mesmo atrás de um impressionante lago artificial na aldeia, seguindo o caminho para a esquerda.

Aqueduto Las Herrerías. Emilio PH

Ambos os percursos seguem o mesmo caminho modestamente sinalizado até ao primeiro cruzamento. Se continuarmos em frente, entramos na rota curta, com indicações às quais temos de prestar atenção. Mas se seguir o caminho à direita, um declive íngreme de cerca de 800 metros é o sinal inequívoco de que escolheu o caminho mais longo.

Claro que as vistas de Puerto de Deleitosa são impressionantes e muito mais a vista panorâmica do geoparque que aparece quando se inicia a descida ao longo da pista florestal que deixa à esquerda da esplanada. É uma descida suave através de eucaliptos, os carros podem chegar até à gruta. A certa altura é preciso procurar rotas, não há caminhos como tal nem estão sinalizados, que descem ao canal com muito cuidado e é aí que ambas as rotas se encontram. São apenas 50 metros, mas de dificuldade moderada que, no caso do percurso curto, dá um pouco de vertigem.

A partir daqui tudo é mais fácil, caminhando sem dificuldade ao longo do canal, apreciando as vistas, o som da água e o cheiro da vegetação exuberante que já é mais autóctone. Passará pela antiga ferraria medieval, três mini centrais elétricas que funcionaram até ao século passado, ruínas de antigas minas e velhos moinhos. Uma área no meio da natureza que fala da atividade industrial que em tempos teve.

Onde o canal termina, siga um caminho ascendente, deixando uma ponte à direita, que é um bom lugar para se abrigar do sol se quiser recuperar as suas forças. Em dois quilómetros e meio, regressa a Campillo, ao longo da encosta do cemitério. Existem vários percursos orientativos na Internet e no bar do lar do pensionista irão contar-lhe todos os pormenores, bem como refeições com muita simpatia, que são apreciadas antes ou depois das cinco horas que o longo percurso pode durar.

La imagen del geoparque cacereño que vale más que mil palabras y querrás conocer

Autor original: Merche R. Rey

Traduzido por Ȃngelo Merayo

PlanVE la guía de ocio de Extremadura / Das maravilhas que oferece a Extremadura

Publicado em maio de 2021

©Planveando Comunicaciones SL

 

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.